Alzheimer, velho mal no novo milênio.
25/08/2014

Como a população sexagenária aumenta em todo o mundo, a perspectiva para o Brasil é que venha a ser o sexto país com maior número de idosos em 2025. A explosão da terceira idade, como não é difícil se concluir, favorece o aumento de doenças freqüentes da população nesta faixa etária, dentre elas o mal de Alzheimer. Segundo estatística recente, 1,2 milhão de pessoas já sofrem com o mal no Brasil. E, em 2025, este número poderá chegar a mais que o dobro. A menos que os meios médicos, científicos e de administração pública encontrem novos caminhos para o combate à doença que surge como o mal crônico mais característico do século XXI. Uma dessas formas de prevenção a serem incrementadas poderia ser a expansão do treinamento da memória. 

Em nosso meio a doença atinge em média 10% da população acima dos 65 anos e estudos recentes demonstram que o número tende a dobrar a cada cinco anos. Esta triste projeção nos diz, teoricamente, que 70% dos idosos com 95 anos de idade sofrerão com o mal. A idade é, portanto, o principal fator de risco para o Alzheimer. 

O Alzheimer é uma desordem neurodegenerativa, progressiva e fatal. Necessita desta forma, de diagnóstico e intervenções precoces no sentido de retardar o seu agravamento. O mal, que é a principal forma de demência (de=perda, mentis=mente), tem como queixas principais as seguintes características: 

1. O surgimento de esquecimento gradual, principalmente para fatos recentes; com o agravamento da doença o esquecimento passa a ser global (memória para fatos recentes e antigos) e outras funções mentais superiores passam a ser comprometidas; 
2. A fala fica titubeante, pois a pessoa não se recorda da palavra a ser dita; a mesma dificuldade vai interrompendo a escrita; ao final, a linguagem se torna esteriotipada, repetitiva e inflexível, podendo até mesmo ficar ausente; e a habilidade para cálculos sofre deterioração semelhante;


3. A orientação visuo-espacial torna-se deficiente; dirigir, encontrar o caminho de volta para casa passam a ser tarefas

4. Mais tardiamente, funções simples, como vestir-se, usar adequadamente objetos como talheres, e a marcha ou o andar também são esquecidos;

5. Alterações de personalidade, depressão, inércia, apatia, confusão mental, agressividade e alucinações também são comuns; ou seja, alterações ocorrem no campo da memória, linguagem, reconhecimento, habilidades motoras e função psiquica. 

Importa dizer, porém, que ter esquecimento não significa ter Alzheimer. Muitas pessoas com depressão, por exemplo, apresentam importantes falhas na memória. 

E há aqueles que, por força da sociedade moderna, estão cronicamente privados de sono, exibindo, por isso, perda de memória. Ademais, há casos sem qualquer déficit objetivo de memória que freqüentemente procuram atendimento médico com o objetivo de melhorar o desempenho cerebral sem qualquer relação, mesmo precoce, com o mal de Alzheimer. 

Na doença de Alzheimer alterações anatomopatológicas características também são descritas, como a chamada degeneração neurofibrilar, que acarreta disfunção de células nervosas e morte de certas populações de neurônios e depósito das chamadas placas senis. A causa deste “suicídio em massa” de neurônios e depósitos dessas substâncias permanece desconhecida, mas em alguns casos é associada a um gene defeituoso chamado APOE. Sabe-se que as alterações ocorrem inicialmente na região do hipocampo, importante local de armazenamento da memória e que a população de neurônios doentes tem como neurotransmissor a acetil-colina, daí a estratégia terapêutica basear-se principalmente em medicamentos que aumentem a disponibilidade desse neurotransmissor.

Com a evolução da doença, todo o cérebro vai perdendo neurônios, que podem chegar a diminuir 20% do seu peso original. O que se vê, ante a ressonância magnética do crânio, em fases avançadas da doença, são cérebros difusamente atrofiados. 

Inúmeras drogas (estatina, antiinflamatório, selegilina, tabaco), vitaminas (vitamina B e E), substâncias (gingko biloba), dietas (mediterrâneo), hormônios (estrogênio) e álcool (vinho tinto) têm sido testadas com o objetivo de prevenir a doença de Alzheimer. Nenhuma delas, porém, mostrou-se clinicamente suficiente, até a presente data, capaz de sugerir prescrição específica na doença. 

Uma vida socialmente ativa após os 60 anos, busca de atividade intelectual continuamente, treinamento cognitivo, realização de exercícios físicos regulares e uma dieta balanceada parecem diminuir o risco para Alzheimer. E, em caso de diagnóstico definitivo, a reabilitação cognitiva ou o treinamento cognitivo associado ao tratamento medicamentoso têm sempre uma resposta melhor que o medicamento isolado. 

Os treinamentos ocorrem em sessões regulares com psicólogos, onde são exercitadas funções como orientação no tempo e no espaço, atenção, memória, linguagem, juízo crítico, abstração, cálculo, habilidades visuo-motoras e reconhecimento entre outras. 

Não obstante, a doença de Alzheimer ainda permanece incurável. E as medidas preventivas parecem apenas retardar seu aparecimento, sendo da maior importância a realização de diagnóstico precoce que, associado à instituição de medidas de tratamento farmacológico e reabilitação cognitiva, seja capaz desacelerar seu avanço.

Oscar Bacelar

 

1 Comentário
  • Sandra Rezende quarta-feira, 4 de março de 2015 às 10:59
    Gostei desta matéria, tudo que li é o que constato na minha mãe de 86 anos, que se trata desde de julho/2011 com adesivo, vindo a surtar em dezembro de 2011, ficando bem agressiva, se recusando a comer e tomar os remédios, não aceitava que lhe desse banho, veio à tona a sua personalidade autoritária, após duas internações, a última na Climed com um médico que a acompanhou, ao ter alta já não tinha o olhar tão perdido, foi acompanhada por fono e fisioterapeuta, após ter melhoras, ela se recusou ao tratamento, quando tive que suspender os profissionais. A melhora maior foi na Clínica Carlos Bacelar com o tratamento com a dra. Carla Slater, onde ela veio ter melhoras mais significativas, estou sentindo a falta da doutora, que se encontra de licença maternidade e aguardando ansiosamente o retorno dela. Ela se tornou meu porto seguro para o tratamento da minha mãe. Att., Sandra.
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href=" title="> <abbr title="> <acronym title="> <b> <blockquote cite="> <cite> <code> <del datetime="> <em> <i> <q cite="> <strike> <strong>

Clínica Bacelar © 2014 | Todos os Direitos Reservados

Sua mensagem foi enviada com sucesso!

Em breve entraremos em contato diretamente em seu e-mail, ou através do telefone de contato informado.

Obrigado pela preferência!

Atenciosamente,
Equipe Clínica Bacelar

Dados inválidos. Por favor, tente novamente.

Solicitação de Contato

Não conseguiu contato via telefone?
Deixe seus dados que retornaremos assim que possível:



Obrigado! :)

Mensagem enviada com sucesso!

Em breve faremos contato.

Atenciosamente,
Equipe Bacelar

x