Neurologista esclarece principais dúvidas sobre Mal de Parkinson
27/08/2014

- Quais são os sintomas iniciais da doença? Há um exame que indica sem dúvida o que é Parkinson?

Tremor, rigidez, lentidão dos movimentos e instabilidade postural costumam ser os primeiros sintomas. O melhor exame para indicar Parkinson (e qualquer doença) é o olho e a mão do médico. Exames complementares são feitos para descartar causas secundárias. Como o próprio nome diz, são "complementares". Ao entrar no consultório, metade do diagnóstico já estará feito. Sem o paciente perceber, o médico já vai observar sintomas como seu caminhar em monobloco, sua ausência na mobilização dos braços, sua postura encurvada para frente, o tremor típico de "contar dinheiro", sua face inexpressiva (fixa e olhando para o nada). Enfim, as máquinas ajudam, mas são os médicos que diagnosticam e tratam. Não vamos esquecer disso.   


- Que tipos de tremores indicam Parkinson?

O tremor do Parkinson não tem padrão circadiano de mudança do tremor, ou seja, ocorre de forma similar ao longo de todo o dia. O tremor ao movimentar os membros voluntariamente, como levantar os braços para beber, é de ação, diferente do tremor parkinsoniano, que aparece em repouso. O tremor parkinsoniano é de repouso, caracteristicamente o polegar bate no indicador como se a pessoa estivesse contando dinheiro. Existem outros tipos de tremor: tremor intencional (ao pensar no movimento a pessoa treme), tremor postural (treme ao ler jornal, por exemplo) e tremor de ação (treme ao fazer um movimento). As pessoas podem ter mais de uma forma de tremor, por isso é necessária a avaliação do médico.  


- Qual a faixa etária dessa doença?

Cerca de 5 % dos portadores apresentam sintomas antes dos 40, é chamado de parkinson juvenil ou de início precoce. A doença se manifesta mais comumente após os 65 anos, com sua prevalência aumentando com o decorrer dos anos. A doença se manifesta por distúrbios motores inicialmente e o tratamento é sintomático.   


- Como podemos ajudar o doente em fase avançada da doença? Como o Parkinson evolui na fase avançada e como aliviar o sofrimento do doente?

Existem várias complicações tardias do Parkinson como discinesia tardia (movimentos involuntários), wearing-off (flutuação de fim de dose), on-off (liga-desliga), freezing (congelamento); de manejo muito difícil. Existem diversas tentativas para tentar minimizar os efeitos tardios da doença. O objetivo é tentar deixar o estímulo contínuo sobre os poucos receptores que ainda funcionam. Só o neurologista pode avaliar os diferentes esquemas terapêuticos.   


- Para que servem os estimuladores cerebrais?

A colocação de estimulador cerebral profundo trata o tremor, chegando até mesmo a extingui-lo. No entanto, vale lembrar que Doença de Parkinson não é igual a tremor, mas uma síndrome que envolve rigidez, lentificação dos movimentos, diminuição dos movimentos automáticos, instabilidade postural e tremor. A colocação do estimulador ocorre em cirurgia em que o paciente permanece acordado, para o médico poder verificar o melhor local para liberar o estimulador e frequencia utilizada. Isso pode ser uma experiência muito aterrorizante para o paciente, porque, apesar de não sentir dor, sabe que alguém está enfiando uma agulha no seu cérebro. Depois é colocado um marcapasso no tórax para ficar mandando impulsos ao estimulador e eles ficam ligados entre si por um fio que corre por sob a pele. A frequência do estímulo pode ser modulada externamente com um aparelho colocado sobre o marcapasso, como se fosse um controle remoto. A cirurgia é um procedimento antigo, seguro e cada vez mais usada no nosso meio. Mas não deve ser indicada para todos os pacientes com Parkinson.   


- A nova cirurgia do neurocientista Miguel Nicolelis pode ser uma esperança de cura para o Mal de Parkinson?

Nicolelis testou, em ratos que tomaram sustâncias para simularem Parkinson, um implante medular e obteve resultados surpreendentes. Esta cirurgia é um tratamento em potencial para Parkinson, mas ainda há de se aguardar futuros testes. Dificilmente significará a cura para Parkinson, porque não age na sua causa.   


- Células-tronco podem ser uma opção?

Há anos já se tenta transplante de células mesencefáficas fetais para o tratamento de Parkinson, mas com resultados fracos. Células-tronco são uma promessa.   


- Alguns medicamentos podem estimular o aparecimento da doença?

Qualquer medicamento que atua diminuindo a atuação da dopamina intracerebral pode causar parkinsonismo. Na maioria das vezes, o sintoma desaparece com a interrupção do remédio. A cinarizina e a flunarizina, usadas para tonteira e tratamento da enxaqueca, podem provocar parkinsonismo medicamentoso.  As drogas que mais comumente causam parkinsonismo são os antipsicóticos típicos, por exemplo, haloperidol.   


- Existe alguma relação entre Parkinson e Alzheimer?

Ambas são doenças neurodegenerativas, ou seja, afetam o sistema nervoso central e tem curso progressivo de piora. O Alzheimer afeta primariamente a memória, linguagem e comportamento; já o Parkinson afeta primariamente os movimentos. No entanto, podem ocorrer alterações do movimento no Alzheimer e demência no Parkinson. Comumente, as respectivas alterações, ocorrem nas fases avançadas das doenças.

2 Comentários
  • Eliane Costa terça-feira, 21 de outubro de 2014 às 15:22
    Eliane Costa - Em, 21/10/2014 A cerca de 3 anos, notei que minha memória piorou muito - esqueço até o passado. Quando quero lembrar algo, preciso fazer uma força absurda p/ lembrar - estou ficando em pânico. Em tratamento com Psiquiátra, tomei por longo tempo Alprazolan e Citaloplan (parei, subtamente, por conta própria) - sei que seu efeito colateral diz que causa esquecimento/ falha na memória. Mas, até para lembrar de palavras para completar uma frase, tem sido um suplício. Pergunto: "posso estar apresentando sintomas Att do mal de Alzheimer?! Att. Eliane C. Tuxi
  • Livia Matos segunda-feira, 29 de setembro de 2014 às 12:51
    Como faço pra entrar em contato com Oscar Bacelar... clínica pra atendimento medico
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href=" title="> <abbr title="> <acronym title="> <b> <blockquote cite="> <cite> <code> <del datetime="> <em> <i> <q cite="> <strike> <strong>

Clínica Bacelar © 2014 | Todos os Direitos Reservados

Sua mensagem foi enviada com sucesso!

Em breve entraremos em contato diretamente em seu e-mail, ou através do telefone de contato informado.

Obrigado pela preferência!

Atenciosamente,
Equipe Clínica Bacelar

Dados inválidos. Por favor, tente novamente.

Solicitação de Contato

Não conseguiu contato via telefone?
Deixe seus dados que retornaremos assim que possível:



Obrigado! :)

Mensagem enviada com sucesso!

Em breve faremos contato.

Atenciosamente,
Equipe Bacelar

x